Brasil encara a Austrália e tenta manter embalo no Mundial de vôlei

Confiante após se classificar na primeira colocação de sua chave, o Brasil inicia nesta sexta-feira a segunda fase do Campeonato Mundial masculino de vôlei. Os comandados do técnico Renan Dal Zotto enfrentam a Austrália, às 12h (de Brasília), na Arena Paladozza, em Bolonha, na Itália, na abertura de uma sequência de partidas contra rivais de menor tradição.

Renan espera jogos difíceis na segunda fase do Mundial (Foto: Divulgação/FIVB)
Renan espera jogos difíceis na segunda fase do Mundial (Foto: Divulgação/FIVB)

Foto: LANCE!

Depois de encarar os australianos, o Brasil terá pela frente a Eslovênia e a Bélgica para tentar buscar a vaga para a Fase Final, em Turim, também na Itália, onde estarão as seis melhores equipes, entre os dias 26 e 30 deste mês.

Na primeira fase do Mundial, o time verde e amarelo passou por Egito, França, Canadá e China a perdeu para a Holanda. Com isso, avançou em primeiro no Grupo B, com 11 pontos, e garantiu um caminho mais fácil na teoria.

Brasileiros e australianos se enfrentaram recentemente, no dia 23 de junho, pela Liga das Nações e, na ocasião, em Melbourne (AUS), e a Seleção levou a melhor por 3 sets a 0. O capitão Bruninho destaca o bloqueio dos rivais.

– A Austrália é um time que tem bom volume de jogo, e já sabemos que vem fazendo muitos pontos no bloqueio, com os dois centrais pontuando muito bem, entre os primeiros nas estatísticas de bloqueio. Tem um oposto que está muito bem e tem sido uma referência para o levantador. Não jogamos contra ele da outra vez e vamos precisar entender como ele joga. É um dia muito importante e temos que entrar focados, porque eles não têm nada a perder como franco atiradores – disse Bruninho.

Renan também elogiou o primeiro adversário desta segunda fase. O técnico da seleção brasileira ainda ressaltou o valor de cada vitória nesta fase do campeonato.

– Todo cuidado é pouco. É um jogo que vale a vida para nós, pois cada jogo aqui é passo importante que se dá para a classificação – falou Renan.

O Brasil já faturou três títulos mundiais: em 2002, 2006 e 2010. Na mais recente edição, em 2014, fez a quarta final consecutiva, mas acabou superado pela Polônia, que jogava em casa, e ficou com a medalha de prata.

www.terra.com.br