Raquel Dodge denuncia Lúcio Vieira Lima em desdobramento da Lava Jato

O deputado Lúcio Vieira de Lima

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou na segunda-feira (28) o deputado federal Lúcio Vieira Lima (MDB-BA) por suposta corrupção passiva em um desdobramento da Operação Lava Jato.

Segundo a PGR, integrantes da empresa Odebrecht pagaram R$ 1,5 milhão ao parlamentar em 2013, em troca de vantagens indevidas.

O oferecimento da denúncia não significa que Vieira Lima é considerado culpado. Agora, a Justiça deverá decidir se vai abrir um processo e tornar o político réu. Só então ele será julgado e, por fim, declarado culpado ou inocente.

Também foram denunciados quatro executivos da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, Cláudio Melo Filho, José de Carvalho Filho e Carlos José Fadigas de Souza Filho.

O G1 procurou a defesa de Vieira Lima, que ainda não havia dado uma resposta até a última atualização desta reportagem.

A Odebrecht informou por meio de nota que tem colaborado com as autoridades para esclarecer os fatos narrados e complementou: ” A Odebrecht já usa as mais recomendadas normas de conformidade em seus processos internos e segue comprometida com uma atuação ética, íntegra e transparente”.

Além da condenação de Vieira Lima, Dodge pediu que ele pague R$ 4,5 milhões aos cofres públicos  R$ 1,5 milhão pelo dinheiro supostamente recebido e mais R$ 3 milhões como indenização por dano moral coletivo “considerando que os prejuízos decorrentes da corrupção são difusos e pluriofensivos (lesões à ordem econômica, à administração da justiça e à administração pública, inclusive à respeitabilidade do parlamento perante a sociedade brasileira)”, afirmou a procuradora-geral.

Ela pediu ainda que Vieira Lima perca o mandato. Como ele não foi reeleito e deixará a Câmara em fevereiro, o caso deverá ser enviado à primeira instância da Justiça.

Outras denúncias

Em dezembro de 2018, Dodge apresentou uma denúncia contra Lúcio e o irmão, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, pelo crime de peculato (crime praticado por servidor público que se apropriar de dinheiro ou bem a que tenha acesso em razão do cargo).

Segundo a assessoria da Procuradoria-Geral da República (PGR), os supostos crimes foram investigados em inquérito aberto para apurar a origem dos R$ 51 milhões que foram encontrados em 2017 em um apartamento de Salvador utilizado pelos irmãos Vieira Lima.

Em razão da descoberta da fortuna em caixas de papelão e malas, Geddel e Lúcio Vieira Lima foram denunciados, em 2017, por lavagem de dinheiro e associação criminosa. Nesse caso, eles se tornaram réus em março de 2018.

G1 BA